terça-feira, 10 de setembro de 2013

Maldade humana

A maldade humana sempre intrigou a todos aqueles que a estudam e é sabido que a tendência de praticar o mal está nas raízes da mente humana, presente em todos nós.
O ser humano é o único animal que fala, pensa racionalmente e age agressivamente sem princípios ou motivos causados pela sobrevivência.
Vivemos conflitos existenciais desde os primórdios da civilização.
O maior inimigo do homem é o próprio homem, que busca poder, com ou sem dinheiro para controlar, intimidar, e até matar sem motivos. Todos nós temos certa quantidade de maldade até por patologias, mas o que nos impede de realiza-las são nossas raízes educacionais, medos de perder o que conquistamos, enquanto outros ambiciosos e possessivos muitas vezes por inveja retiram dos outros o que não conseguem por competência. Temos o livre arbítrio, não podemos responsabilizar Deus pela maldade, está intrínseca em nós, em nossos hormônios, encéfalo mal formado e DNA.
Quanto menos vínculos afetivos temos, maior a capacidade de praticar o mal. Existem vários tipos de maldade, desde as mais simples ate as mais complexas, que podem chegar a eliminação do outro, causadas por inveja, rivalidades e vinganças. Assistimos isso nas novelas e filmes, a arte imitando a realidade.
Por isso existem as leis, as punições e as prisões, mas em nosso país onde a impunidade reina, a maldade vence. A maldade esta ligada a personalidade com seus temperamentos, traços e caráter, que são em maioria adquiridos. Já ouvimos a frase “Lobo em pele de cordeiro”, que são pessoas falsas que conseguem ter varias caras, enganando para tirar proveito da fragilidade humana, esses são os sociopatas, que conseguem dominar multidões carentes e de fácil manipulação, muitas vezes levadas por desespero, interesses e necessidades. Usamos mascaras para esconder a nossa verdadeira personalidade que esta na sombra psíquica, e é por trás dessas mascaras que se escondem as piores e mais perigosas mentes.
Uma das formas para controlarmos a maldade é a autocrítica.
Dependendo da situação o animal humano pode reagir ou agir agressivamente principalmente sob pressão, emergindo o egoísmo e o instinto de sobrevivência, ou até pela consciência da mortalidade, achando que a vida não vale a pena, tanto a sua quanto a do outro. Insistimos na busca do equilíbrio biopsicossocial, e se o perdermos, a tendência é irmos para os extremos e assim praticarmos os atos mais abomináveis do ser humano.
Aqueles que praticam atos terríveis que pode ser desde tirar a vida do outro até praticar torturas físicas ou psíquicas, precisam ser afastados do convívio social, com leis mais rígidas, ate aplicando a pena de Talião. “Olho por olho, dente por dente”.
Os maiores responsáveis pela proliferação da maldade humana são as autoridades dos três poderes nas três instancias, que usam o poder muitas vezes para se servir e não servir o próximo. O exemplo deve vir dos superiores.
Evoluímos bastante muito mais cientificamente do que socialmente e esse desequilibrio também leva a desestruturação da base social que é a família e o convívio social precisamos de mais solidariedade.
A maldade humana já foi muito maior no passado, é só verificarmos a historia, mas podemos evoluir mais, somos seres em desenvolvimento e adaptáveis, a maioria pratica o bem, não podemos deixar que uma minoria má forte vença.
Quanto tivermos mais educação com disciplina, limites, autoridade, carinho, atenção, dialogo e respeito, nós seremos mais evoluídos, a dualidade bem e mal, está presente no nosso intimo, nos cabe alimentarmos aquela que queremos ver prosperar.
Não faça ao outro o que não queres que te façam.



“Durante muitos anos
esperamos encontrar alguém
que nos compreenda,
alguém que nos aceite como somos,
capaz de nos oferecer felicidade
apesar das duras provas.
Apenas ontem descobri
que esse mágico alguém
é o rosto que vemos no espelho. “

(Richard Bach)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Benefícios do Pensamento positivo Somos o que pensamos e acreditamos desde a infância. Sabemos que os tempos não estão fáceis, mas ...