segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Medo

ARTIGO PARA O JORNAL “ O SEMANÁRIO DA ZONA NORTE ”



Todos nós sentimos medo. O medo é instintivo e biológico, fazendo parte da necessidade de sobrevivência, no entanto cada vez mais observo pessoas dominadas pelo medo.
Temos medos dos mais variados como: de ser assaltado, de sofrer acidentes, perder entes queridos, perder o emprego e ficar sem condições de pagar as contas, medo de ficar doente sem condições de trabalhar, entre outros. Sabemos que vivemos num mundo com muita violência, dificuldades e até maldades, mas não podemos deixar esses medos nos dominar caso contrario se transformarão em ansiedades patológicas, fobias e pânico e acabaremos sofrendo por antecipação com preocupações constantes e torturantes. Diferencie o medo real do irreal.
Devemos ser cautelosos e previdentes ou poderemos atrair a atenção de pessoas que percebem esses medos e por fragilidade nos atacar, pois os assaltantes percebem as pessoas medrosas, inseguras e distraídas e praticam os delitos.
Sentir medo de ter medo e viver assim é terrível. A melhor forma de superar os medos é enfrentando-os. Converse com outras pessoas sobre o assunto isso ajuda a desabafar e acalmar um pouco.
Para tudo tem um jeito, menos para a morte e depois que ocorreu, pois antes podemos nos cuidar .
Viva de acordo com suas condições, não dando o passo maior que a perna, como diz o ditado popular. Planeje sua vida, tenhas reservas financeiras para situações inesperadas e seja preventivo em tudo. Faça o que gosta e se sente bem; podendo ser exercícios, jardinagem , pintura, dança, leitura, viagem e etc. Trabalhe com prazer gostando do que faz, não seja carcereiro de sua própria prisão interior.
Seja mais otimista e positivo, tenha amigos para conversar e se reunir, participe de grupos de amigos ou religião .
Enfim não tenha medo do medo, realize a cada dia o melhor , tenha fé e muito amor para si e para doar. Assim será mais confiante e saudável.
A vida deve ser vivida da melhor forma possível, com o mínimo de sofrimento e dor física ou psíquica.

Marco Antonio Garcia
Psicólogo e psicoterapeuta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ESTRESSES                                O conceito de estresse tornou-se parte do senso comum, apesar de ainda sua definição s...